X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
Guanambi não oferece estrutura para funcionamento de faculdade de medicina.
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Guanambi não oferece estrutura para funcionamento de faculdade de medicina.

GUANAMBI – O município de Guanambi, na região Sudoeste da Bahia, não oferece critério satisfatório para funcionamento de uma faculdade de medicina. A informação foi divulgada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), no dia 16 de junho.

Das 163 escolas médicas abertas entre 2011 até o primeiro semestre de 2020, 65 estão em 50 municípios que não cumprem nenhum dos requisitos mínimos considerados ideais para uma boa formação médica. Outras 67 (41,8%) estão em 60 localidades que apresentam dois parâmetros insatisfatórios e 22 (13,5%).

Dos 17 municípios que sediam escolas médicas na Bahia, apenas Salvador oferece todos os parâmetros ideais para o funcionamento satisfatório de uma faculdade de medicina. O estudo Radiografia das Escolas Médicas avaliou a existência de hospital de ensino e quantidade de leitos e alunos por equipes de Estratégia de Saúde da Família (ESF).

 A pior situação está em Guanambi, onde há um leito para 1,35 aluno e 4,4 estudantes por equipe de saúde da família. Para o CFM o ideal é que haja pelo menos cinco leitos públicos de internação para cada aluno no município.

Conforme o CFM, cada equipe da Estratégia Saúde da Família (ESF) precisa ser acompanhada por, no máximo, três alunos de graduação e que seja disponibilizado um hospital com mais de cem leitos exclusivos para o curso.

Segundo o coordenador da Comissão de Ensino Médico do CFM e conselheiro federal pela Bahia, Júlio Braga, a falta de campos de estágio faz com que o aluno comece a trabalhar sem ter treinado as habilidades necessárias a um bom médico.

“Durante sua formação, o estudante deve ter contato com o maior número de pacientes possível. Só assim, ele aprende a colher histórias, a fazer uma boa anamnese e diagnósticos certeiros. Com a falta de campos de estágio, ele chega ao mercado sem ter desenvolvido essas habilidades”, disse.

 Ainda de acordo com o levantamento, 71% dos municípios baianos que sediam escolas médicas não possuem número de leitos suficientes. Faltam leitos de ensino em Alagoinhas, Barreiras, Eunápolis, Guanambi, Irecê, Jacobina, Juazeiro, Lauro de Freitas, Paulo Afonso, Santo Antônio de Jesus, Teixeira de Freitas e Vitória da Conquista.

Ainda conforme o CFM, o curso de medicina é ofertado na cidade pelo Centro Universitário –UniFG e FIP-Guanambi.

EDIÇÃO: JOÃO MIGUEL

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter