X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
Veja quem são os candidatos eleitos para o Conselho Tutelar de Guanambi.
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Veja quem são os candidatos eleitos para o Conselho Tutelar de Guanambi.

 

Este domingo foi de votação em Guanambi e na maioria dos municípios brasileiros. Os eleitores foram às urnas escolher os candidatos ao Conselho Tutelar.

Foram eleitos cinco titulares e cinco suplentes para o mandato de quatro anos, a ser iniciado em 2020 e finalizado em 2023. O resultado oficial será publicado no Diário Oficial do Município desta segunda-feira. Segundo a comissão eleitoral, cerca de 2.600 pessoas compareceram à eleição.

O número é baixo comparado ao eleitorado do município que é de mais de 60 mil eleitores. o eleitorado que compareceu às urnas não corresponde a nem 5% do total.

A eleição ocorreu no Colégio Municipal José Neves Teixeira, das 8h ás 17h.

Ao todo, 44 candidatos foram habilitados para concorrer à eleição. Destes, 39 eram mulheres e apenas 5 homens.

A comissão informou que irá analisar denúncias de irregularidades eventualmente cometidas durante a eleição.

Titulares Eleitos:

Patrícia Silvia Rocha – 210 Votos

Sandra Ferreira Pereira Ribeiro – 170 Votos

Tayná da Silva Donato – 162 Votos

Geiseane Costa Roque – 149 Votos

Sônia Layse Pereira Nunes Nascimento – 133 Votos

 

Suplentes Eleitos:

Renata Soraya Rocha e César –  106 Votos

Janaína da Silva Araújo – 97 Votos

Luana Margareth Bastos da S. Gome – 92 votos

Leiliane Rocha Guimarães Reirs – 87 Votos

Keyla Dayanne Fraga dos Santos – 81 Votos

Mandato

Os conselheiros eleitos irão tomar posse para o mandato de quatro anos em 10 de janeiro de 2020, substituindo os atuais conselheiros que estão no cargo desde 2016.

A remuneração mensal pelo trabalho de conselheiro tutelar será de R$ 1.226,52. O regime de trabalho será de 40h semanais, com dedicação exclusiva. Além desta carga horária, os conselheiros deverão cumprir escala de sobreaviso distribuída igualmente entre todos os membros.

O exercício do cargo de Conselheiro Tutelar não configurará vínculo empregatício ou estatutário com a prefeitura.

 

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter