Grávida morre após ter AVC na porta da igreja, minutos antes de subir ao altar

Policial

Quarta-Feira, 18 de Setembro de 2019

Casar e ser mãe, esse era o sonho da gestante Jéssica Victor Guedes, 30 anos. Quando engravidou do noivo o tenente Gonçalves, ambos de São Paulo, eles decidiram realizar a cerimônia de casamento, antes de a filha, Sophia, nascer. Segundo a Tenente Mariana, da Seção de Comunicação Social do 46 Batalhão da Polícia Militar, no último domingo (15 de setembro), enquanto se preparava para subir ao altar, Jéssica, grávida de 7 meses, começou a se sentir mal e acharam que era ansiedade por causa do casamento. Afinal, tinha chegado o grande dia. “No trajeto até a igreja, onde o noivo e os convidados a aguardavam para a cerimônia matrimonial, ela começou a se sentir mal novamente”, conta Mariana.

A família foi avisada e o noivo, que já estava à espera, foi ver o que estava acontecendo e encontrou Jéssica desacordada, na porta da igreja. Como ele foi bombeiro, fez os primeiros socorros na noiva, antes de o bombeiro chegar. Ela foi levada a um hospital de SP que o convênio atendia, porém, devido à complexidade do caso, foi transferida para o Hospital e Maternidade Pro Matre Paulista (SP), que não faz parte da cobertura do seu convênio.

Jéssica teve um AVC hemorrágico, por conta de uma pré-eclâmpsia, e já chegou à maternidade sem atividade cerebral. Segundo Mariana, a equipe realizou uma cesárea de emergência para salvar a vida da pequena Sophia, que nasceu de 29 semanas, pesando 1 kg. A bebê prematura está recebendo todos os cuidados na UTI Neonatal.

Como o casal gastou muito com o casamento e o tenente Gonçalvez, na tentativa de salvar sua esposa e filha, decidiu levá-la ao hospital que não era coberto pelo seu convênio, amigos decidiram fazer uma vaquinha virtual para ajudar com os custos de internação e UTI, inclusive da pequena Sophia. O site para ajudar é www.vaquinha.com.br/vaquinha/tenente-goncalves.

“Jéssica estava fazendo acompanhamento pré-natal, não teve nenhum pico de pressão alta durante toda a gestação e era saudável, fazia atividade física e se alimentava bem”, disse a tenente Mariana, em entrevista a CRESCER.

Com a constatação da morte cerebral de Jéssica, a família decidiu atender ao próprio pedido dela e vão doar os órgãos, o que já está sendo realizado.

Em nota, a Pro Matre Paulista disse que: “No momento, toda a equipe da maternidade está priorizando o apoio, conforto e atenção às famílias do Tenente Gonçalves e da paciente, ajudando-as com todas as providências necessárias”, diz a nota.

Pré-eclâmpsia na gravidez é grave

A pré-eclâmpsia está entre as principais causas da mortalidade materna, e vem crescendo no Brasil, mesmo diante de todo o avanço da medicina. Hoje, no país, o índice de mortalidade está em 64,5 óbitos maternos para cada 100 mil nascidos vivos – número bem acima da meta firmada com a Organização das Nações Unidas (ONU), que é de 30 óbitos para cada 100 mil nascidos vivos até 2030, conforme os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. E muito disso – 20%, segundo dados do Ministério da Saúde – se deve ao grupo das doenças hipertensivas. Nele, estão incluídas a eclâmpsia (52%) e a pré-eclâmpsia (44%), praticamente com metade das mortes para cada.


Fonte: Revista Crescer


Últimas Notícias
Travessa Cicinato A. Fernandes - Centro - Guanambi-BA - (77) 9 - 9962-3188